Marombados com a perna fina: descubra o motivo

Você com certeza já viu um dos famosos “homens-sorvete” malhando em alguma academia por aí. São aqueles caras com tórax bem trabalhado e ombros largos, mas que tem pernas tão finas que fica até engraçado de ver, veja.

Alguns tem esta estrutura corpórea porque realmente focam demais em malhar a parte superior do corpo. Outros, por conta da própria genética. Mas há algo de tão ruim em ter pernas finas? Ou é apenas um preconceito estético?

A questão da genética nas pernas finas

Não dá pra fugir da genética ao falar de ganho e perda muscular, além da estrutura óssea e muscular de seu corpo. Suas pernas podem ser finas não porque não são musculosas. Maratonistas tem pernas finas, na grande maioria. Mas tem uma força descomunal nas pernas.

Existem também pessoas que tem pernas grossas sem esforço algum. Isto também é genética. Outras, começam a malhar e ganham muita massa nas pernas rapidamente, enquanto alguns precisam de anos para começar a ter um resultado de “engrossamento” das pernas.

Quer você queira, quer não: sua estrutura corporal e a genética são os fatores que mais influenciarão o “formato” de suas pernas.

A questão estética das pernas finas

As pernas finas para homens já passaram por épocas de fama e infâmia. Hoje, com a diversidade estética no mundo, você pode fazer sucesso com pernas finas, thermatcha. O problema é que no mundo da musculação, pernas finas estão associadas a uma “feiura” estética, um defeito a ser corrigido. O que não é sempre verdade.

Suas pernas fazem parte da sua estrutura corporal. E tentar corrigir sua estrutura corporal além de ser frustrante, pode ser ineficaz e causar bizarrices estéticas, como os homens-sorvete. É comum que alguém que tenha pernas finas tente compensar isso trabalhando muito mais a parte superior do corpo, sem respeitar sua estrutura corporal e a proporcionalidade do corpo, algo que os fisiculturistas sabem serem tão ou mais importante do que o ganho de massa muscular.

Portanto, é mais importante considerar sua estrutura corporal do que as pernas finas em si, na hora de se olhar no espelho. Você pode ser um cara magro, musculoso, e as penas finas complementarem muito bem seu visual.

A questão de saúde das pernas finas

Naturalmente, quem emagrece perderá gordura em várias partes do corpo, inclusive nas pernas. Alguns perdem mais e outros, menos. Se você tiver um bom programa de malhação e acompanhamento profissional, você saberá como malhar as pernas para transformar a massa “gorda” em massa “magra”, ou seja, gorduras em músculos. A velocidade dos resultados irá depender diretamente da sua genética.

Porém, por verem as pernas ficando finas enquanto emagrecem, algo natural nos primeiros meses de malhação, alguns se desesperam. Buscam programas de malhação intensos para pernas, que só irá resultar em desproporcionalidades e até em lesões.

O que você tem que fazer é manter a calma. As pernas vão engrossar e ganhar músculos, se você seguir um programa de treinamento para seu corpo. Você deve respeitar seu tempo e seus limites. Afinal, será muito pior para seu ganho muscular ficar um mês parado por conta de uma lesão do que simplesmente diminuir o ritmo da malhação.

As pernas finas: uma experiência pessoal

Eu sempre tive pernas grossas e ganhar músculos ou massa com as pernas nunca foi um problema. Para mim, o maior problema era escolher roupas que respeitassem minha estrutural corporal. Mas já vi caras que tinham pernas finas malhando e que não faziam nada para “esconder” ou respeitar melhor seus corpos. Eles tinham braços e ombros largos. Alguns, até abusavam dos anabolizantes.

O resultado é que até hoje, tenho um corpo bem proporcional e com uma excelente postura, graças a um trabalho equilibrado para ganho muscular tanto para estética quanto para força. E estes caras, duvido que não tenham sofrido algum tipo de lesão ou problema de saúde.

O que você tem que pensar é: não baseie seus padrões estéticos em um ideal inalcançável. Respeite seus limites. Goste de você mesmo e aprenda a trabalhar com o que você tem. Só assim, você conseguirá realmente ganhar esteticamente e em saúde, independente de pernas finas ou não, thermatcha preço.

Como o café afeta o seu corpo

Ele é totalmente indispensável em escritórios e universidades, principalmente em épocas de entrega de relatórios e finais de semestre. Ou simplesmente de manhã cedinho ou para curar aquela preguiça depois do almoço.

E aí, já adivinhou qual o personagem do artigo dessa semana? Fica à vontade, e enquanto tenta adivinhar…Enquanto isso: “aceita um cafezinho?”. Não que tenha rolado uma leve insistência de certos membros do blog, fãs incondicionais de café para o tema desse artigo. Não, não, não. Isso nunca acontece, não se preocupa!

Bioquímica do café

Mas chega de blá blá blá e vamos logo explicar a bioquímica do café, e olha, acho que você vai se surpreender! Você com certeza já sabe que o café contém cafeína. Cada xícara contém cerca de 80mg dela. Por sinal, ela está presente em vários outros alimentos, como chocolate, chás pretos e refrigerantes.

E você também já deve ter ouvido a cafeína é estimulante. E seria essa a razão pela qual o seu cafezinho te ajuda nas aulas chatas, naquele documento que o seu chefe te pediu, ou simplesmente para te fazer acordar de manhã e quando bate a preguiça de tarde.

Mas isso não é exatamente assim. No fim das contas você se sente mais acordado e com mais energia depois de ingerir cafeína…mas o que o café faz é simplesmente impedir o seu corpo de se sentir cansado. Como assim?

Simples. Os seus neurônios estão em constante atividade. Enquanto você está acordado, eles estão ainda mais ativos e como resultado, eles liberam uma substância chamada adenosina como subproduto. O seu sistema nervoso está constantemente monitorando os níveis de adenosina através de receptores.

E quando as quantidades de adenosina (veja mais) chegam a determinado nível no seu cérebro, ele emite um sinal químico que manda aos poucos seu corpo desligar para descansar. E você começa a ficar mais lento, os bocejos começam e  você quer dormir e descansar. Ok, mas o que a cafeína tem a ver com isso? Bom, ela é um composto produzido por algumas plantas… como o café, por exemplo. Nas plantas, ela tem função de protegê-las contra insetos predadores. Mas no nosso corpo, algo diferente acontece: a adenosina e a cafeína têm estruturas químicas semelhantes, e a cafeína acaba se ligando nos nossos “receptores do cansaço”, confundindo o nosso cérebro.

Esta confusão química gerada pela cafeína faz com que seu cérebro não decodifique os sinais de cansaço… e você continua acordado e ligado. Então, o seu cafezinho é muito mais um farsante do que um energizante, bioquimicamente falando. Mas então café faz mal?

O café em si tem muitos fitonutrientes benéficos para a saúde, e já já vamos falar sobre eles. Mas antes, preste bem atenção nos seus hábitos:

  • Tomar café para virar noites trabalhando e estudando, ou usar ele como combustível imprescindível para conseguir acordar e se manter desperto durante o dia é sim danoso para a sua saúde.

Um estudo realizado por um grupo de pesquisadoras do Departamento de Medicina da Universidade de Chicago, liderado pela cientista Eve Van Cauter demonstra que não dormir o quanto precisamos é um mal cada vez mais comum na nossa sociedade. Na pesquisa, as cientistas provam que é durante o sono que diversos processos essenciais ocorrem,  como a liberação hormonal, regulação de glicose e regulação cardiovascular.

E dormir menos que o necessário estaria associado a uma maior chance de desenvolver diabetes tipo 2, obesidade, problemas cardíacos e uma série de outras doenças. Resumindo, o problema não é o café em si. É usar ele para se manter acordado quando você deveria estar dormindo que é danoso para a sua saúde.

Vários estudos, como os da Universidade Estadual de Oregon e da Bureau of Chemical Safety do Canadá demonstram que ingerir de 3 a 4 cafés pequenos por dia, ou cerca de cerca de 300 miligramas de cafeína, é seguro e apresenta benefícios para a maioria dos adultos saudáveis.

A condição é ter um sono de qualidade e na quantidade necessária. E claro, se seu médico não restringiu seu consumo de cafeína por alguma condição de saúde como pressão alta, por exemplo. Outros grupos que devem ficar atentos ao consumo de cafeína são grávidas, crianças, idosos e pessoas com hipersensibilidade à substância.

Fora desses grupos, o café tem diversos benefícios! Contém mais antioxidantes que muitas frutas, contém nutrientes essenciais como vitamina B5 e B12, Manganês, Potássio e Magnésio. Além de muitos estudos indicarem sua correlação com a diminuição do risco de diabetes tipo 2 e diminuição de risco de Alzheimer e Parkinson.

Em 2011, um estudo da Universidade de Harvard mostrou que as pessoas que bebiam cerca de 4 xícaras de café por dia tinham 20% menos chances de desenvolver depressão. Não exagerando na dose, e mantendo um ciclo de sono saudável de sono o café é de fato uma bebida muito interessante para a sua saúde!

Café com ou sem açúcar?

Fitness super fã de café? Não coloque açúcar, se quiser adoçar prefira adoçantes naturais como a stévia. Evite cremes doces e gordurosos,  como chantily. O ideal para preservar as propriedades do café é moer os grãos na hora, assim as substâncias contidas nele não oxidam, mas se você não tiver moedor de café ou não encontrar café em grãos, comprar um pó de qualidade (e de preferência orgânico) já é excelente!

E aí, você também ama café? Então deixa aí nos comentários seu jeito e hora preferidos para um bom cafezinho.

Veja como seu corpo se comporta quando você toma café

Você imagina o que acontece com seu corpo quando você acaba de tomar café? Não? Então confira:

1 2